O pré-candidato a prefeito de Colombo, Hélder Lazarotto (PSD), e o pré-candidato a vice-prefeito, Alcione Giaretton (PRB), fizeram na última sexta-feira (27 mais uma live na Rede Social Facebook. Os dois políticos não pouparam críticas as ações da atual gestão municipal, e bateram pesado na gestão de Beti Pavin, como nunca fizeram antes.

Pré-candidatos de Ratinho Júnior nas eleições de outubro deste ano, Hélder Lazarotto e Alcione Giaretton destacaram as medidas do governo do estado em relação ao incentivo a economia do Estado, no momento em que o setor sofre com a Pandemia do Covid-19. Esse tema foi destaque na imprensa do estado, repercutindo de maneira positiva perante os empresários e micro-empresários.

Para não esquecer, que, apesar da situação emocional vivida pela população em tempos de quarentena, os dois não deixaram de politizar a questão, e com toda razão, uma vez que a saúde pública do Brasil, do Paraná e de Colombo têm a responsabilidade de dar uma resposta necessária aos municípes que estão apreensivos com uma pandemia dessa magnitude.

O fechamento do restaurante popular e sua reabertura, agora por parte da administração de Beti Pavin. (É bom lembrar que a alimentação é uma das ações para ajudar a combater o Covid-19) foi lembrada sem politicagem, apenas fatos lógicos deram o tom da conversa.

Outro assunto abordado dentre tantos, foi a reabertura do Armazém da Família, mais uma obra da gestão de Jota Camargo, e que Beti Pavin só lembrou de tomar providências neste ano eleitoral.

Se a dupla elogiou com bons motivos o governador Ratinho Júnior, deram uma bola fora ao fazer o mesmo com o presidente Jair Bolsonaro, um dos responsáveis pela situação caótica e de medo generalizado espalhado pelo Brasil afora, pelas suas ações contrárias aos atos dos governos estaduais e municipais (25 deles são contra a politica de combate ao COVID-19).

 

O Presidente, que além de não ter uma política de controle eficaz sobre a pandemia, e sequer vem divulgando as sub-notificações dos casos, e força o fim do isolamento social em favor dos interesses do mercado,( hoje Roberto Justus, empresário bolsonarista mudou o discursou e foi contra a fala de Bolosnaro)além de outras medidas sem noção;como incentivo aos cultos religiosos e outras sandices, fatos que devem fazer aumentar o número de casos no Brasil, que corre o risco de ter mais de um milhão de mortes, e passar a Itália e a Espanha.

É óbvio, que, se por um lado criticam a gestão capenga de Beti Pavin, não poderiam deixar elogiar o pior o presidente apoiado pelo governo do Estado em 2018, só que diante da situação da atualidade, nem o governador faz coro com Bolsonaro até o momento, pelo contrário, toma outro rumo, o da racionalidade.

A intenção é clara: não magoar o Rato SBT, o apoiador de Messias, que em breve salta do barco, se o impeachment de Bolsonaro ou a interdição quase irreversível chegar. Também para dar um agrado nos eleitores do Bolsonaro em Colombo. Não precisava, o assunto era local e estadual.

Os opositores de Beti Pavin usaram de dois pesos e duas medidas, Beti Pavin, é sim uma má gestora, não poderia ficar longe do alvo de críticas, mas poupar um psicopata que espalha o terror no mundo, e gasta 5 milhões em propaganda para acabar com a quarentena, como se fez na Itália, foi de uma estupidez aviltante, e para um gestor de saúde e um gestor de educação, não há como explicar e nem aceitar.

O duro é convencer os dois que o caminho para a sensatez política é o passo a ser dado.

Em suma: bateram tambor pra maluco dançar.

Se continuar nessa vibe vão dar munição até pra Thiago de Jesus. Faltou assessoria para orientar? Talvez…

Deixe uma resposta