Ao tirar o vereador Anderson Prego da disputa majoritária pelo PT de Colombo, em 2020, e também o poder de decisão do edil dentro partido, com a retomada da legenda pelo grupo de Onéias Ribeiro, os petistas deixaram a legenda à mercê dos negócios da ala fisiológica da sigla, que tem como maior exemplo, a ex-vereadora Micheli Mocelin, ex-medebista de Michel Temer, mas com força junto a sua mentora, Gleisi Hoffmann, reeleita, no último domingo para a presidência nacional do PT, com a unção de Lula. ( esse deve ter o rabo preso com o casal PB E BARBIE, só pode).

Tudo indica, que o partido deve seguir sob a orientação de Onéias Ribeiro, servidor de dois senhores: mamom e deus, e o PT deve entrar na coligação majoritária do 100% , e lançar uma chapa de candidatos a vereadores, Prego deve seguir esse rumo,não é um politico fisológico, e a esquerda de Colombo é uma piada, nem PSOL e nem PCdoB são estruturados para abrigar nada, e PREGO não pode ficar de fora do legislativo, até para preservar a qualidade que ainda existe na Casa.

O histórico das participações de Gleisi, nas eleições municipais de Colombo, não é nada positivo; participou de dois pleitos e perdeu. Em 2008, quando concorreu a eleição para a prefeitura de Curitiba, veio para o municipio apoiar Beti Pavin contra Jota Camargo, e perdeu, em 2012 seu apoio foi para Zé Vicente e Hélder Lazarotto, perdeu de novo, ou seja, é a Mick Jagger da politica local, só Lula mesmo para lhe dar algo em mãos, sem mais!

Deixe uma resposta