O Neo Tantra tem sua origem na linha Kaula Tantra através de tântricos contemporâneos que surgiram em torno de 1960. Sua estrutura baseia-se em práticas externas, isto é, práticas físicas, estimulando todo o corpo, despertando e sensibilizando novas áreas de prazer. No Neo Tantra o orgasmo é valorizado e potencializado, pois o prazer é visto como meio para expansão de consciência.

O Neo Tantra, por ser uma prática recente, teve influências de personalidades da Psicanálise e da Psicologia Moderna, com as Teoria de Wilhelm Reich, Alexander Lowen e a Bioenergética, além de influências do misticismo com os pensamentos de Osho.

Wilhelm Reich

Foi médico, psicanalista e cientista natural, ex-colaborador do pai da psicanálise Sigmund Freud, rompendo este relacionamento em 1930 para dar prosseguimento em suas próprias ideias e pesquisas.

Reich desenvolveu muitos estudos em diversos ramos da ciência, colocando sua multiplicidade em uma única ciência chamada Orgonomia. A “Energia orgônica”, “orgone” ou “orgônio” é o termo desenvolvido para descrever a energia vital, a energia cósmica primordial, descobrindo ainda que a energia orgone era bloqueada de forma mais intensa na pelvis.

Membro integrante da Sociedade Psicanalítica de Viena, famosas reuniões às quartas-feiras conduzidas por Sigmund Freud, as pesquisas de Reich tiveram bases nas teorias sobre a sexualidade de Freud. Freud escandalizou a sociedade do início do século XX, quando publicou em 1905 os “Três ensaios sobre a Teoria da Sexualidade”, demonstrando o quanto o desvio do caminho da energia sexual pode estar associado à doenças mentais e transtornos psíquicos generalizados, Reich, por sua vez, deu origem ao livro “A Função do Orgasmo” em 1927, dizendo que os efeitos da respiração no ato sexual sobre o indivíduo, harmoniza o corpo físico, com implicações na própria mente, normalizando o fluxo de trocas com o meio, pela absorção do orgônio e que o orgasmo nos leva em direção ao “derretimento”. “Derreter-se” às sensações vegetativas de prazer e movimentos involuntários da pelve, o eu humano, esse sujeito, constituído através das relações sociais, “derrete-se”, por frações de segundos, no clímax do orgasmo sexual. Reich vai pinçar a teoria do desenvolvimento da libido e da sexualidade da psicanálise e levar às últimas consequências, ao poder transformador do Orgasmo Sexual. A Psicanálise não se ocupou com o ato sexual em si, mas Reich pesquisou as sutis nuances desse ato, bem como o clímax orgástico e a direta relação desses com a saúde do organismo humano como um todo.

Reich, por ter sido muito envolvido com a política, publicou um livro chamado “A Revolução Sexual” com questões relacionadas às repressões sexuais. De acordo com Reich, o Estado autoritário usava várias ferramentas para suprimir de seus cidadãos a sexualidade natural, ferramentas essas utilizadas até hoje. Tais ferramentas englobam conservadorismo e moralismo anti-sexual, entre elas a ideologia do casamento monogâmico e vitalício, chamado por Reich de casamento obrigatório; a supressão da sexualidade infantil, citada como causa primária de desejos sexuais anormais e perversões ao longo da vida adulta; a falta de educação sexual honesta e liberdade sexual entre adolescentes; a perseguição daquilo que venha a ser considerado anormal, como a homossexualidade; a ilegalidade do aborto; o casamento como instituição legalizada e a falta de uma mais ampla gama de causas válidas para o divórcio.

Estes vários fenômenos fazem com que os cidadãos, além de reprimir seus desejos naturais, criam novos, neuróticos, doentios desejos sexuais e ainda explica que ocorre uma realimentação entre a supressão/repressão de desejos naturais e o próprio aumento do poder do Estado autoritário.

Reich vai se preocupar em “como” o paciente diz e em “como” o seu corpo fala, liberando defesas que são características de determinados sintomas para serem analisadas. Desse aprendizado, passou a reconhecer alguns padrões típicos de comportamento associados a determinados quadros psicopatológicos. Terminou por estabelecer a relação entre a estrutura psíquica (couraça de caráter) e seu correspondente corporal (couraça muscular).

No Neo Tantra o termo “Couraça” é bem utilizado e este termo vem das teorias de Reich.

Na couraça muscular, Reich vai reconhecer a couraça nas tensões musculares crônicas que vão estar dispostas em feixes transversais à longitude do corpo. São sete níveis ou anéis da couraça: olhos, boca, pescoço, tórax, diafragma, abdome e pelve. O encouraçamento é universal, o que vai variar é a intensidade e o significado ideológico.

Para Reich, a couraça de caráter se formaria numa defesa contra a ansiedade dos sentimentos sexuais da criança e seu medo de punição. Ele se forma em torno do ego, sendo o resultado do conflito das exigências pulsionais com o mundo externo. Na medida em que as defesas do ego se tornam crônicas e automáticas elas evoluem para traços ou couraças caracterológica.

Os prazeres libidinais ficam recalcados e caso o sujeito transgrida, ele vai sentir um medo consciente ou inconsciente de ser punido. Tanto os pais como os educadores vão alimentar esse medo. A cada couraça do ego, existe a couraça muscular equivalente. O físico e emocional estão juntos.

 

Alexander Lowen e a Bioenergética.

Era advogado e mais tarde se formou em medicina, foi psicanalista de orientação freudiana, devido seu interesse pelas teorias de Reich, principalmente sobre couraças, se tornou estudante de Wilhelm Reich por volta de 1940 a 1950. Seu interesse na união do corpo e da mente, desenvolveu a psicoterapia mente-corporal, conhecida como análise Bioenergética e em 1953 foi o fundador e primeiro diretor-executivo do Instituto Internacional de Análise Bioenergética em Nova Yorque, escreveu 14 livros e faz parte de uma gama de personalidades da Psicologia Moderna.

Corporalmente Lowen enfoca a liberação dos bloqueios energéticos, trabalhando com a respiração e com movimentos que permitam a livre expressão emocional, para então integrá-la à vida e à história pessoal através do fundamental trabalho analítico que acompanha todo o processo terapêutico. Lowen afirma categoricamente essa necessidade de se trabalhar tanto a nível corporal quanto à nível verbal; precisamos das duas pernas para caminharmos.

O trabalho loweniano é apoiado em três pontos: o primeiro é a autoconsciência, sentir-se com suas sensações e sentimentos; o segundo é a expressão desses sentimentos: a auto expressão e finalmente a integração de ambos através da auto possessão.

Na trajetória da Análise Bioenergética dois conceitos se constituíram como fundamentais: o grounding e o surrender. O primeiro quer dizer enraizamento, é a auto sustentação que aponta para a necessidade de uma verdadeira troca energética entre o corpo humano e a terra que o sustenta. O segundo conceito, surrender, significa uma profunda entrega a si mesmo, um profundo relaxamento dos processos defensivos arraigados no organismo e que mantendo a situação traumática impedem a vital pulsação do organismo. O caminho da doença à saúde passa de uma arcaica re-ação à real ação, da rendição à redenção.

Um terceiro conceito, mais recente é o da graciosidade e está relacionado para Lowen com a espiritualidade. Nos animais livres encontramos uma graça em seus movimentos, uma suavidade flexível que nos encanta como se um pêndulo de energia viva pulsasse dos olhos aos pés. Essa pulsação graciosa circulando provoca sensações, sentimentos e emoções, promovendo o profundo contato com o próprio organismo e com o meio que o cerca.

A meta terapêutica da Análise Bioenergética inclui outras marcas de saúde além da potência orgástica: a vitalidade do organismo e sua qualidade de vida.

Osho

Rajneesh Chandra Mohan Jain, conhecido como o líder religioso Osho, se formou em Filosofia, seu principal propósito foi o desenvolvimento da consciência e o autoconhecimento através da meditação. Nunca foi um moralista, enfatizando sempre a consciência individual e a responsabilidade de cada um por si mesmo. Não considerava o ato sexual como um tabu, tendo uma postura bastante liberal a esse respeito. Deixou seus pensamentos em uma série de vídeos gravados com discursos e palestras que transformaram-se em livros elucidando sua filosofia, foram publicados mais de 650 títulos e traduzidos em 57 idiomas. Por ter uma visão libertária sobre o sexo e por ter falado algumas vezes sobre o Tantra, alguns erroneamente titula-o como Tântrico, mas Osho nunca foi Tântrico, Osho foi um iluminado que falava sobre desconstrução, liberdade e silêncio. Desconstrução de dogmas arcaicos e amarras psicológicas que aprisionam e limitam o ser humano. Liberdade, em sua visão, é o fundamento de um homem auto-realizado e digno. O silêncio, por sua vez seria a comunhão da criatura com sua essência divina e pura, sendo reencontrado pela meditação, onde o homem experimenta seu verdadeiro ser. Osho foi apelidado como “guru do sexo”, pois falava também sobre libertação sexual, no sentido que queria apenas que o sexo não fosse renegado dizendo: “o orgasmo sexual oferece o primeiro vislumbre da meditação porque, nele, a mente para, o tempo para”. Quando se descobriu a causa da Aids, Osho determinou que seus discípulos fizessem o teste de HIV. Pioneiro, recomendou usar camisinha e luvas de látex na hora do sexo, coisas ridicularizadas na época. Alguns diziam que em sua Comuna aconteciam orgias, nunca houve orgias na comunidade e que esses boatos vinham de quem queria se aproveitar da liberdade sexual. Os principais livros publicados em Português até o momento com a temática Tantra foram:

Tantra o caminho da aceitação

Tantra, Amor e Meditação

Tantra, Espiritualidade e Sexo

Tantra: a suprema compreensão

A visão tântrica

Além dos livros que contribuíram nas influências no Neo Tantra, também são usadas suas meditações chamadas Osho Meditação Dinâmica e a Osho Meditação Kundalini, que a hiperventilação, a catarse consciente, os movimentos intensos e danças lúdicas presentes nas meditações distribuem o oxigênio em maior quantidade e liberam conteúdos emocionais conscientes, trazendo também disposição física, meditações essas bem parecidas com as práticas de Bioenergética.

Portanto o corpo adquire memórias causadas por experiências que indivíduo produz durante sua vida, o Ego que regula o certo e o errado num determinado meio social reprime vontades e desejos do indivíduo na tentativa de ser aceito neste meio social, essa repressão somatiza no corpo, podendo causar doenças físicas e distúrbios psicológicos. Visto que a sexualidade, de um modo geral, vem sendo reprimida no decorrer dos anos, há uma série de disfunções sexuais que o Neo Tantra pode tratar, entre elas ejaculação precoce, disfunção erétil, anorgasmia, vaginismo, falta de líbido e bloqueios sexuais e é neste cenário que o Neo Tantra vai desenvolver sua metodologia.

A aplicação do Neo Tantra está distribuída na massagem Neo Tântrica individuais e em meditações dinâmicas e práticas físicas em grupo.

A massagem Neo Tântrica realizada individualmente, tem como foco o externo, o físico e por isso foi desenvolvida técnicas de massagem que ativam a bioeletricidade da pele com toque suaves por todo o corpo combinando com respiração abdominal para fluidez energética, além das massagens na região pélvica, considerada a principal região da qual estão presentes couraças e memórias corporais.

Já os trabalhos em grupo do Neo Tantra são realizados através de meditações de Osho e práticas corporais de Bioenergética para liberação de defesas corporais e fluidez de energia pelo corpo, atingindo conteúdos emocionais presentes na memória corporal e mental, assim como libertando possíveis couraças musculares e mentais.

O indivíduo que não respira corretamente reduz a vida de seu corpo. Se não se movimenta livremente, limita a vida de seu corpo. Se não se sente inteiramente, estreita a vida de seu corpo e se sua auto-expressão é reduzida, o indivíduo terá a vida de seu corpo restringida” (Alexander Lowen, Bioenergética)

Fonte: http://devianahata.com.br/neo-tantra/

e-mail: taticori@gmail.com
WhatApp 11 96422-5900
Facebook: https://www.facebook.com/devianahata/

Fonte: http://devianahata.com.br/neo-tantra/

Deixe uma resposta