Estimativa é que 1,7 milhão de brasileiros/as tenham o vírus da hepatite C e 756 mil o vírus da hepatite B, e não saibam.

Por Redação*

Entre início de janeiro e 25 de junho foram registrados 160 novos casos de hepatites virais, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde de Manaus (Semsa). Do total, foram confirmados 87 casos do tipo B e 46 do C.

Embora a secretaria observe uma tendência de queda de casos nos últimos quatro anos, a partir desta segunda-feira (1) haverá intensificação das ações de combate às hepatites virais. Atividades educativas nas unidades básicas de Saúde (UBS), distribuição de preservativos, intensificação da oferta do teste rápido para detecção da doença e oferta da vacina contra a hepatite B estão na programação.

As ações são parte da campanha “Julho Amarelo” de combate às hepatites virais, instituída pela Lei 13.802, de 10 de janeiro de 2019, que tem como objetivo reforçar as iniciativas de vigilância, prevenção e controle, alertando sobre as formas de prevenção e a importância do diagnóstico precoce.

A estimativa, de acordo com dados do Ministério da Saúde, é que 1,7 milhão de pessoas no Brasil tenham o vírus da hepatite C e 756 mil sejam portadoras do vírus da hepatite B, porém muitas pessoas não sabem, por se tratar de uma doença silenciosa, sem sintomas e de longa evolução.

Por isso, a importância de realizar a testagem para hepatite C e assim diagnosticar e tratar o mais precocemente. No estado de São Paulo, o público-alvo da testagem no Julho Amarelo é a população maior de 40 anos, bem como aconselhamento para todos e encaminhamento para realização de exames e tratamento se indicado no casos positivos.

O que é a hepatite?

A hepatite é a inflamação do fígado e pode ser causada por vírus (tipo A, B, C, D e E) ou pelo uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas e genéticas, podendo levar à hepatite crônica, cirrose, câncer e causar a morte do paciente.

Os tipos B, C e D são as formas mais graves, com transmissão por relação sexual desprotegida, transfusão sanguínea e derivados do sangue, assim como o compartilhamento de seringas, escova de dente, lâmina de barbear, alicate de unha e outros objetos perfurocortantes.

Os tipos mais comuns da doença são a hepatite A, que tem transmissão oral-fecal, de uma pessoa infectada para outra saudável ou por meio de alimentos ou água contaminada, e também as hepatites B e C.

* Com informações do G1 e Secretaria Estadual de Saúde SP

Fonte: Saúde Popular – https://saude-popular.org/2019/07/hepatites-virais-campanha-julho-amarelo-alerta-para-testagem-e-diagnostico-precoce/

Deixe uma resposta