(Por: Requião Filho)
“A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda” (Provérbios 16.18).
Marreco, bom marreco…
O marrequinho era um bom marreco, sempre respeitou seus pais, ia à igreja, pedia benção aos avós, bom aluno, bom menino…
Este marrequinho, no início de sua vida de marreco, tinha sim boas intenções, bons pensamentos e algumas virtudes.
Este marreco, que nunca se viu como parente do pato, sempre teve inveja do cisne, tão belo e formoso, e morria de paixão pelo condor, com seu voo alto e extrema elegância.
Ele achou aquilo muito injusto e, assim, resolveu voar cada vez mais alto.
Carregado de boas intenções, exercendo seus poderes de marreco, de fato, até conseguiu voar mais alto do que um gavião, enfrentou um quero-quero desaforado e sua fama foi ganhando lagoas e lagoas.
O marreco, cheio de si, abriu suas asas e foi voando cada vez mais e mais alto. Se equiparando ao condor, ele era melhor que todos.
A vaidade e a soberba dominaram sua essência de marreco e ele já não mais se reconhecia entre suas espécies. Então preferiu romper com as leis que deveria seguir, a ter que suportar se ver, novamente, como um marreco.
“Comer mel demais não é bom, nem é honroso buscar a própria honra”. (Provérbios 25:27)
Pássaros alimentaram seus devaneios e aquele marreco, tão bem criado, passou a acreditar ser um ser divino e, em seu íntimo, se equiparou ao Criador.
“No orgulho do seu coração você diz: ‘Sou um deus; sento-me no trono de um deus no coração dos mares’. Mas você é um homem, e não um deus, embora se considere tão sábio quanto Deus” (Ezequiel 28:2)
Não mais respeitou os princípios regentes da Terra, virou as costas para os antigos amigos e abraçou aqueles que, com ele, desejavam dominar todas as lagoas do mundo.
“Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. Todos esses males vêm de dentro e tornam o homem impuro” (Marcos 7:21-23).
O pecado supracapital da soberba fez com que ele criasse suas próprias regras, que se desvinculasse de todas as normas que um dia havia jurado cumprir.
“A vida de pecado dos ímpios se vê no olhar orgulhoso e no coração arrogante” (Provérbios 21:4).
Ao voar cada vez mais alto, passou a adorar a si mesmo, esquecendo de Quem lhe deu o dom de voar. Mas Deus, na sua inabalável sabedoria, diante de todos os desmandos do marreco, de todas as tragédias que sua soberba e que seu orgulho foram capazes de construir, resolveu interferir e mostrar ao marreco e aqueles que o seguem que marreco é marreco, não é ganso, não é cisne , não é anjo, não é divino.
“O vaidoso e arrogante chama-se zombador; ele age com extremo orgulho” (Provérbios 21:24).
“Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (1Pedro 5.5b).
Deus lembrou ao marreco que as leis do universo são para todas as espécies, que a seus olhos não há marrecos ou qualquer outro animal superior.
“Temos ouvido do orgulho de Moabe: da sua extrema arrogância, do seu orgulho e soberba, e do seu espírito de superioridade. Conheço bem a sua arrogância, declara o Senhor. A sua tagarelice sem fundamento e as suas ações que nada alcançam” (Jeremias 48:29-30)
E assim, como um anjo caído diante da própria soberba, o marreco que tanto fez e tanto aprontou, abrindo mão da própria lagoa em busca de voos mais altos, não tem mais para onde voltar.
“Seu coração tornou-se orgulhoso por causa da sua beleza, e você corrompeu a sua sabedoria por causa do seu esplendor. Por isso eu o atirei à terra; fiz de você um espetáculo para os reis. Por meio dos seus muitos pecados e do seu comércio desonesto você profanou os seus santuários. Por isso fiz sair de você um fogo, que o consumiu, e reduzi você a cinzas no chão, à vista de todos os que estavam observando. Todas as nações que o conheciam espantaram-se ao vê-lo; chegou o seu terrível fim, você não mais existirá”. (Ezequiel 28:17)
Requião Filho é DEPUTADO ESTADUAL MDB – PARANÁ

Deixe uma resposta