Como tentar resolver o problema da saúde pública de Colombo sem estar à par da realidade da atual situação da gestão municipal, e das ações que até agora já foram tentadas e colocadas em prática? Sem dúvida essa é a principal pauta a ser debatida entre população e os poderes executivo e legislativo. Não é possível chegar à uma solução para amenizar o caos do setor caso não seja aberto um fórum de debates em torno da questão.

Com esse foco e com esse objetivo é que pretendo realizar no segundo semestre deste ano o Fórum “Saúde, Ação e Cidadania “, uma tentativa de reunir autoridades do setor público, lideranças comunitárias, usuários da rede pública de saúde, profissionais da área e outras de áreas em comum, e a meta é dar um norte para que a partir da gestão atual, e visando a próxima que terá início em janeiro de 2021, nós os  colombenses tenhamos como cobrar da administração municipal posições sobre problemas que por certo sempre teremos, uma vez que a saúde é uma área que passa por sérias dificuldades em diversos municípios do Estado, e precisa ser fiscalizada a todo momento, e nesse contexto a participação de todos é imprescindível.

O município de Colombo e seus administradores precisam aprender a dialogar com a comunidade, e a comunidade precisa ser mais atuante também. É preciso deixar de lado a fala unilateral de quem gere o sistema, procurar saber onde os principais entraves estão acontecendo, discurso bom é discurso colocado em prática. É necessário estar por dentro da realidade dos investimentos na área, da demanda existente, da falta de recursos humanos, debater onde a gestão falhou e onde ela acertou.

Neste processo de diálogo o cidadão vai poder ínteragir com vários profissionais do setor, já que não são apenas os usuários que sofrem com a falta de uma política mais eficaz, os dois grupos são parte de um mesmo universo.

A ideia é ver, se com a estrutura existente é possível fazer um novo modelo de gestão, se através de projetos mais inclusivos e adequados para a nossa realidade e condições de gerenciamento, nós, cidadãos e poder público poderemos dar um exemplo para o Paraná. É assim que eu penso politica, com gente pensando na gente, com convergências de ideias e ideais, é por esse caminho que pretendo trilhar.

Priscila Glaucio – Profissional da Saúde Pública de Estado e ex-professora de Rede Municipal de Ensino de Colombo

Deixe uma resposta