Laudivio Carvalho (Pode-MG) afirma ter pago por um base de 40 mil contatos da Quick Mobile, uma das empresas investigadas pela campanha do presidente eleito

O deputado Laudivio Carvalho (Pode-MG) admitiu a compra de pacotes demensagens ilegais no WhatsApp. Ele afirma ter pago pelo disparo de santinhos virtuais’ para 40 mil contatos da Quick Mobile, uma das empresas investigadas pelo caixa 2 da campanha de Jair Bolsonaro. 

O serviço foi oferecido pela agência poucos dias antes do primeiro turno, conforme ele contou ao UOL. A lei eleitoral autoriza o uso do WhatsApp, mas proíbe o uso da base de dados de terceiros. É permitido, por exemplo, enviar mensagens para a lista de filiados de um partido. Também é vedada a compra ou venda de bases de dados.

Carvalho era candidato à reeleição, mas saiu derrotado e fez campanha para o candidato do PSL no segundo turno. Como Bolsonaro, votava pelos interesses das bancadas ‘da bala’ e ‘da Bíblia’. Em 2017, ele foi relator da comissão especial que analisou a PL que revoga o Estatuto do Desarmamento.

Redação Agência PT de Notícias, com informações do UOL

Fonte: http://www.pt.org.br

 

Deixe uma resposta