Convidado para a sabatina promovida pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba na manhã desta segunda-feira (27), o Deputado Estadual Requião Filho, candidato à reeleição com o número 15151, defendeu as conquistas trabalhistas das últimas décadas no Brasil e criticou os retrocessos atuais.

O debate organizado pelo sindicato reuniu candidatos a Deputado Estadual, Federal, Senador e ao Governo do Estado. Roberto Requião, que também concorre à reeleição para o Senado (com o número 151), foi o convidado mais aplaudido pelos sindicalistas durante o evento.

Requião Filho lembrou a atuação do pai, quando Governador do Paraná, e destacou a importância do salário mínimo regional, instituído por ele naquela época e que vem sendo desvalorizado pelo atual governo.

 

“Se o Paraná tem o maior salário mínimo regional do Brasil, é graças ao Requião e graças a vocês. O Beto tentou diminuir essa diferença que o Paraná tinha para os demais Estados. A bancada do camburão fica quieta com a desvalorização do salário regional, em troca de sair na foto com a entrega de uma ambulância. Mas enquanto isso, os hospitais regionais que construímos estão deixando de funcionar”.

 

O parlamentar também denunciou as práticas do atual governo do Estado contra os trabalhadores. “O governo Beto Richa massacrou os funcionários públicos em praça pública. Com campanha fortíssima, quis convencer a opinião pública de que todo funcionário público é marajá. Pegou contracheques escolhidos a dedo e jogou nas redes sociais. Pegou uma professora que tinha recebido férias atrasadas, 13° salário, indenização, e apresentou aquele contracheque como se fosse o recebimento mensal de todos os professores”.

 

Segundo ele, o desrespeito aos servidores não se restringe aos professores. Os policiais, por exemplo, enfrentam más condições de trabalho, com equipamentos defasados, coletes à prova-de-balas vencidos e a corporação sem qualquer investimento do Estado. “Os policiais continuam sem a data-base”, denunciou.

 

O Deputado criticou a tentativa de criminalização que se faz aos sindicatos dos trabalhadores, normalmente encampada pelos órgãos patronais. “Tentam transformar os sindicatos dos trabalhadores, aos olhos da população geral, em criminosos, enquanto o Sistema S faz festa com champanhe e caviar em Nova York, Paris, tem hotéis, resorts, e esse sistema não é fiscalizado”.

 

Requião Filho criticou a Reforma Trabalhista e a tentativa de aprovar a Reforma da Previdência. “A reforma não modernizou nada. Tirou o direito dos trabalhadores e garantiu às grandes empresas a demissão de funcionários sem nenhuma responsabilidade”.

 

Como exemplo de resistência da classe trabalhadora, Requião Filho lembrou a grande audiência pública realizada no Paraná contra a Reforma da Previdência.

 

“Junto com vocês, fizemos a maior audiência pública já realizada na história da Assembleia Legislativa. Mais de mil pessoas! Aquele plenário nunca esteve tão cheio de gente que deveria, na verdade, ser representada por aquela Assembleia”.

 

Para Requião Filho, a mudança na política passa pela escolha de representantes comprometidos com a causa daqueles que mais precisam. “Esta é uma responsabilidade de todos. Se escolhermos mal os nossos representantes, acabamos por eleger um Eduardo Cunha, por exemplo, ou um Geddel Vieira Lima. Todos tiveram votos, chegaram lá e tomaram conta daquilo. E aí não se consegue apresentar e aprovar os projetos necessários. Precisamos escolher bem nossos representantes e a responsabilidade é enorme”.

O Deputado ainda ponderou que o voto consciente também deve permear a escolha dos candidatos ao Governo do Paraná. “No nosso Estado temos dois galhos da mesma árvore. Entre a Cida e o Ratinho, não tem diferença nenhuma. Eles são a mesma coisa: o congelamento do salário regional, a entrega da Copel e da Sanepar aos acionistas, o aumento da conta de água e da luz bem acima do que o salário pode pagar, e outras coisas que você não vai querer para o seu futuro”. 

 

Assessoria de Comunicação

Requião Filho 15151 Deputado Estadual

Por Um Paraná Melhor

Deixe uma resposta