Como esperado, os jornalões desprezaram a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU, que exige a garantia aos direitos políticos de Lula. E, ao mesmo tempo, tratam com a maior naturalidade a realização de mais um debate de TV em que o candidato favorito foi impedido de participar.

Na Folha: nenhuma menção à ONU na capa, algumas notas no “Painel” antecipando que a determinação será ignorada pelo Supremo e uma reportagem de um terço de página, em página par, sumarizando o caso. Muito abaixo da relevância do episódio, mas bem melhor que seu concorrente, que escondeu a determinação em uma notinha no meio do “Painel do Estadão” – em que, aliás, ela é chamada de “recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU” – e no intertítulo de uma reportagem intitulada “Barroso concentra impugnações a Lula”. A matéria recebeu uma chamada de capa, tão irrelevante (“Barroso já tem sete ações contra Lula”) que seria inexplicável caso não houvesse o desejo de se contrapor à verdadeira notícia, aquela que o jornal optou por ocultar.

Trata-se de minimizar um fato político de enorme relevância. Tanto Folha quanto Estadão fizeram questão de ressaltar que outros políticos foram impedidos de concorrer nas mesmas condições de Lula e não houve ação da ONU. É uma falsa ingenuidade, que pretende não entender que um ex-presidente, candidato favorito numa eleição presidencial, tem mais condições de recorrer a um organismo internacional do que outros.

Em suma: neste caso, uma vez mais, a imprensa põe em funcionamento a doutrina Ricupero: “o que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde”. Uma doutrina que, segundo as imorredouras palavras do então ministro da Fazenda, só se estabelece graças à ausência de escrúpulos.

Enquanto isso, o noticiário das eleições corre como se vivêssemos a mais normal e democrática das normalidades democráticas. Fiel à sua vocação “pluralista”, a Folha inaugura hoje uma seção semanal de polêmica sobre o processo eleitoral, em que Leandro Narloch encarna a direita e as cores da esquerda são defendidas por… Pablo Ortellado! Já o Estadão, também seguindo a tradição, prefere a voz autorizada dos especialistas consagrados e estampa, na página 2, uma análise de conjuntura assinada por… Bolívar Lamounier!

Mais do que qualquer outra coisa, o tom imposto pela cobertura é evidenciado na coleção de fotos dos candidatos na Rede TV!, recurso ao qual ambos os jornais recorreram. Estão lá oito opções. Tem até uma mulher e um cara barbado. Tem para todos os gostos: do que o eleitor pode reclamar? A eleição transcorre sem percalços, ponto.

Por isso a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU incomoda. É fundamental, para o projeto do golpe, que a ilegitimidade do processo eleitoral no Brasil não seja exposta. Por isso, as empresas jornalísticas ocultam mais este fato.

PROFESSOR LUIZ FELIPE MIGUEL DA UNB – PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/luisfelipemiguel.unb

Deixe uma resposta