Trabalhar na melhor idade traz benefícios físicos e psicológicos

Estudo acompanhou 24 idosos em feiras livres de Presidente Prudente, São Paulo, durante dois meses

 

Idosos
© iStock
O estudo, realizado por estudantes do curso de Fisioterapia da Unoeste, avaliou a qualidade de vida dos idosos ativos no mercado de trabalho da feira da cidade. Orientada pelo docente Weber Gutemberg Alves de Oliveira, a pesquisa analisou, durante dois meses, as condições socioeconômicas e prevalência de doenças em pessoas com mais de 60 anos, de ambos os gêneros e que exerciam atividades laborais.

De modo geral, a maioria dos idosos – apesar de aposentados – retorna ao mercado, devido ao baixo valor da aposentadoria ou simplesmente para se sentir mais útil. “Estar ativo é sinônimo de saúde. É importante ressaltar as relações interpessoais, mas em grande parte dos casos a principal renda deles acaba sendo adquirida nas feiras [83%]”, afirma Oliveira.

Com o trabalho, 69% apresentaram qualidade de vida regular, com renda suficiente para a manutenção de um estilo de vida adequado às expectativas, atendimento à saúde e estado psicológico bom por causa do trabalho e da interação social numa fase da vida onde é “comum a tristeza excessiva e até a depressão”, de acordo com o orientador. Em razão da idade, 70% dos idosos têm pressão alta ou doenças metabólicas, 54% doenças relacionadas a exercícios repetitivos, 29% voltadas ao metabolismo e nenhum relato de doenças cardiovasculares. Com a ocupação nota-se uma redução na ocorrência desses males.

ANOTE AÍ

Fonte: Notícias ao Minuto

Deixe uma resposta