Assistir ao Jornal Nacional é ver o Brasil se reduzir a um caso de polícia. Na edição da quarta-feira, por exemplo, dia do julgamento dos recursos de Paulo Maluf no STF, foram destaques também o processo contra o secretario de transportes e o presidente do metrô do governo Alckmin (que se tornaram réuspor um contrato referente a compra de trens), as revelações de um delator do caso Garotinho/Rosinha e a JBS, a prisão de um ex-vereador, outra de uma ex-secretária estadual do Amazonas, a cassação de Marcelo Miranda (MDB-TO). A outra metade do jornal foi tomada por crimes como a prisão de um dos irmãos Cravinhos (do caso Richthofen) e o roubo dos celulares no Galeão sem ação da polícia para recuperá-los.

Quem suporta o tédio, corre o risco de morrer de ódio – e as imagens glamurosas de uma sorridente Suzane – que depois de 16 anos de prisão obteve parecer favorável para cumprir a pena em liberdade – não parecem ter outra função.

Se queremos um país melhor, temos que botar “esses vagabundos” na prisão ecoam as redes sociais, o Whatsapp da família, os generais no Twitter e até pré-candidatos à presidência. Nosso futuro começa nesse amontoado de corpos nos presídios, violentos e superlotados, garantem. O Brasil real, feito de desigualdades e injustiças, mas também de resistência, trabalho, solidariedade, desaparece.

Para acreditar no futuro, é preciso mergulhar fundo no Brasil. É ali que estão nossos valores – materiais e imateriais como ensinam as lideranças indígenas, sábias o bastante para garantir a sobrevivência de povos sob ataque constante dos que estão no poder. Nessa semana do Índio, ouçam Raoni, Davi Kopenawa, Sônia Guajajara e o discurso contundente de Adriano Karipuna na ONU em Nova York na mesma quarta-feira do noticiário policial do JN. Acompanhem as mobilizações em Brasília, a ofensiva do governo ruralista sobre suas terras e direitos.

Eles também clamam por Justiça. Mas a luta deles é por tudo que é vida e pela liberdade de todos nós.

Marina Amaral, co-diretora da Agência Pública

Fonte: https://apublica.org

Deixe uma resposta