Em entrevista  à jornalista Mônica Bergamo, o ex-ministro José Dirceu, 72, relata que está preparado para a hipótese de entrar na cadeia para não sair nunca mais; ele diz “o país vive uma situação de insegurança e instabilidade jurídica, de violação dos direitos e garantias individuais”; e emenda: “o aparato judicial policial se transformou em polícia política”.

Dirceu, que também á advogado, teve a condenação confirmada nesta quinta-feira (19) pelo TRF4, um tribunal de segunda instância, mas considera que país vive uma situação de insegurança e instabilidade jurídica, de violação dos direitos e garantias individuais, em que o ordenamento jurídico tomou um caminho excessivamente punitivista no país: “eles acabaram com a progressão penal. Você só pode ser beneficiado se reparar o dano que dizem ter causado. E como, se todos os seus bens estão bloqueados?”

Demonstrando a habitual força mental construída em uma biografia de resistência à ditadura, clandestinidade e treinamento de guerrilha em Cuba nos anos 70, Dirceu afirma que não fugirá ao seu destino: “preso ou aqui fora, vou fazer tudo o que eu fazia: ler, estudar e fazer política. Eu tenho que cumprir a pena, eu não posso brigar com a cadeia”; e conclui: “o preso que briga com a cadeia cai em depressão, começa a tomar remédio”.

Para Dirceu, “O aparato judicial policial que se transformou em polícia política”  fica claro na antecipação da pena de Lula, o ex-ministro considerou uma indignidade o ex-presidente ser condenado e preso injustamente. Dirceu disse ainda que Lula não deve ser isolado do mundo, como por exemplo mandato para um quartel do Exército. “Ele deve conviver com outras pessoas, pensar o país, pensar no que está acontecendo. Ele não está proibido de fazer política só porque está preso.”

Leia mais aqui.

ANOTE AÍ:

https://www.brasil247.com/pt/247/poder/351925/Dirceu-diz-que-ficar-para-sempre-na-pris%C3%A3o-%C3%A9-uma-hip%C3%B3tese.htm

Fontes: https://www.esmaelmorais.com.br/2018/04/jose-dirceu-admite-nunca-mais-sair-da-cadeia-e-fala-sobre-prisao-de-lula/

Deixe uma resposta