Percorrendo ontem à tarde as ruas do bairro Santa Cândida em Curitiba, em volta de onde está Lula na sede da PF, fiquei pensando: os coxinhas ainda vão se engajar na luta por “Lula Livre”.

• Aos que moram ali e têm seus mórbidos rancores contra Lula, PT, comunismo e tudo que é vermelho, sinceramente, me deu pena. Suas ruas e a frente de suas casas inteiramente tomadas pela presença “dessa gente”.
• Aos que não são incomodados ali, como engolir na grande mídia, mesmo ela tentando escamotear, a romaria permanente de gente de todo Brasil e de fora caminhando e fazendo pronunciamentos no meio do acampamento da resistência? Ontem foram 9 governadores e 3 senadores.
• Como suportar as manifestações diárias da opinião pública internacional descrevendo o absurdo do que está acontecendo no Brasil?
• Como encarar as pesquisas que começam a pipocar após a prisão de Lula e perceber que, mesmo com os subterfúgios de tentar escondê-lo das listas, cresce o desejo da população de que ele seja o próximo presidente do Brasil?
• Como suportar o aguçamento da militância com manifestações incomodando por todo país?

Foi tiro no pé. Eles não contavam que Lula não é só presença física. Lula é uma ideia e não tem como prender as ideias.

Nas imagens do vídeo, a presença de Davi, meu neto,e seus pais. Nos sons, “Roda Viva” de Chico, na voz e violão de João Bello, um querido artista aqui de Curitiba e presença constante nas lutas do povo.

Por Augusto Ferreira – Professor de Biologia e ativista

Deixe uma resposta