O nordeste brasileiro esteve entre 1630 e 1654 sob domínio holandês. A riqueza gerada pelo cultivo da cana-de-açúcar: produção e importação do “ouro branco” para a Europa tornou a região a mais próspera das Américas, sobre tudo, durante o governo holandês. A Nova Holanda (Nieuw Holland) com capital em Recife (Mauritsstad) passou de uma região povoada por indígenas primitivos, pescadores portugueses sem perspectiva e alguns escravos africanos para a maior potencia cultural e econômica do Continente Americano. Para cá os holandeses trouxeram arquitetos, médicos, botânicos, professores, músicos, artistas plásticos, escultures… Diferente da América dominada pelos portugueses e espanhóis o nordeste brasileiro experimentou durante os vinte e quatro anos da presença holandesa de uma liberdade religiosa que só voltaria a ser garantida em 1891 na primeira Constituição Republicana. Hoje a região onde os holandeses fundaram a “Nova Holanda” é habitada por mais de cinquenta milhões de pessoas e possui também a maior costa litorânea em relação as demais regiões do país. Um outro aspecto relevante da região: No Estado do Ceará de acordo com Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) está setenta e sete das cem melhores escolas públicas do país. Os dados são referentes ao ano de 2015.

Lagoa da Gaivota – Santo Amaro do Maranhão – Maranhão.

Texto de Andersen Cunha
Fotos: Reprodução/ Banco de dados/Google

Deixe uma resposta