O fato da prefeita Beti Pavin (PSDB) estar no momento mais difícil de sua administração, com 70% de reprovação e enfrentando uma crise sem precedentes na saúde pública do munícipio, não significa necessariamente que ela está morta para a politica , e que não poderá se recuperar e fazer seu sucessor em 2020 .

Três fatores podem fazer com que ela possa ter a médio prazo seu nome novamente bem avaliado pela população: ainda tem 3 anos e seis meses de mandato , e muita coisa pode acontecer. Tem o governo do estado em suas mãos, e num momento pré-eleitoral, quando muitos recursos públicos deverão ser despejados no município, e o fator de não ter contra si uma oposição atuante, muito pelo contrário, Hélder Lazarotto e sua turma estão distantes da muvuca.

Resta o petista Anderson Prego , o único vereador de oposição ao governo que consegue fazer um trabalho sério .

Se a prefeita sair do olho do furacão resolvendo o impasse da greve geral dos médicos e da saúde que já dura 45 dias , e também dar um jeito na questão dos servidores da educação, amenizara boa parte dos seus desastres.

Como política hábil de bastidores que é, Beti Pavin ,não vai deixar de usar toda sua sagacidade na eleição de 2018 . Com um novo governo estadual e federal a partir de 2019, daí sim ,vai começar para a prefeita o jogo pra valer .

Não dá pra esquecer que no final de 2015 , Beti Pavin ostentava uma taxa de rejeição igual a de hoje, mesmo assim deu a volta por cima e conquistou seu quarto mandato. Agora que não é mais candidata à nenhum cargo eletivo, resta saber se haverá por parte dela e do seu grupo político mais atenção para gerenciar a crise atual e começar a fazer mais gestos positivos para o povo e menos politicagem.

 

Postado por Luara Claucio

 

Deixe uma resposta