Até o momento nenhum dos deputados estaduais que tem representantes em Colombo usaram da tribuna da Assembléia Legislativa do Paraná para se posicionarem sobre a crise que está instalada no município com a greve dos médicos em vigor , e a greve dos professores marcada para ter início no dia 26 de julho.

Vários dos parlamentares estaduais tiveram em Colombo votações e apoios expressivos na última eleição

Outros possuem um histórico de atuação relevante para os eleitores da Terra da Uva , como: Mauro Moraes, Luiz Carlos Martins, Requiao Filho, Ney Leprevost, Anibeli Neto, Gilberto Ribeiro e Luiz Cláudio Romanelli. Mas nenhum deles fez sequer uma nota oficial para ver ou saber as causas dos movimentos grevistas e as consequências das paralisações.

A omissão do legislativo estadual é marcada pela ligação com políticos que estão no comando de Colombo ou já estiveram. O que não é de se admirar , a eleição de 2018 está aí e ninguém quer ficar amarrado a crise de gestores municipais.

No momento , apenas o professor Lemos , ligado ao vereador Anderson Prego , tem comparecido nas reuniões da APMC e nos debates promovidos pelo vereador.

Dos deputados radialistas e comunicadores não se pode esperar nada. Nem de Luiz Cláudio Romanelli, deputado oficial da gestão de negócios de Beti Pavin.

Sem a presença da imprensa da capital e não tendo a divulgação que esse momento necessita , os eleitores colombenses devem analisar bem em quem votar na eleição do ano que vem .Caso contrário, é tapinha nas costas antes de eleito, e pe no traseiro depois .

Chegou a hora de excluir da agenda esses aventureiros e escolher votar em políticos locais , pois temos potencial para eleger dois estaduais e um federal, desde que também sejam pessoas engajadas e com compromissos voltados para os eleitores colombenses.

 

Postado por Luara Claucio 

Deixe uma resposta