A APMC Sindicato , presidida por Claudinei Duarte Lima , já lançou seu informativo de greve geral para o segundo semestre do ano letivo , a deliberação aprovada em Assembléia Extraordinária do último dia 4 de julho já tem sua agenda definida: no dia 26 de julho o movimento tem inicio com as aulas sendo realizadas nas ruas.

O não pagamento da data-base que a entidade estava reivindicando para o mês de junho não foi lançado nos contracheques dos servidores , e nem o pagamento da AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO de 2016 e das PROGRESSÕES, ADICIONAL DE MÉRITO. 

Para o Presidente da entidade , Claudinei Duarte Lima , os profissionais da educação de Colombo não tem como esperar mais , e além disso os dois Projetos de Lei do Executivo que retira direitos dos trabalhadores é mais um fator que vai mobilizar a classe.

Confira:

DIA 26 DE JULHO A AULA SERÁ NA RUA…

SE A PREFEITURA NÃO PAGAR, A EDUCAÇÃO IRÁ PARAR…

A Categoria reunida em Assembleia, dia 04 de julho, aprovou por unanimidade:

GREVE dia 26 de julho: após análise do cenário municipal, onde constatou-se o não pagamento da DATA-BASE 2017, bem como dos demais direitos previstos na lei, sobretudo a AVALIAÇÃO de DESEMPENHO de 2016, além das PROGRESSÕES congeladas desde 2015, aprovou-se GREVE para o dia 26 de julho.

CATEGORIA decidiu entrar em GREVE após o recesso escolar, ao constatar no contracheque de junho que não foi pago a DATA-BASE 2017, ou no mínimo a AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO de 2016 e parte do passivo acumulado nesses últimos dois anos das PROGRESSÕES, ADICIONAL DE MÉRITO e demais direitos congelados. Caso, seja pago na folha de julho, a Categoria retorna ao estado de alerta de GREVE, caso contrário,  dia 26 de julho, a aula será na rua.

PROJETOS 007 e 008/2017a Categoria permanece em ESTADO DE ALERTA TOTAL focada na RETIRADA dos PROJETOS 007 e 008/2017, visto que entende que os mesmos RETIRAM DIREITOS dos SERVIDORES, tais como, direito a PROGRESSÃO VERTICAL nos últimos 5 anos, RETIRADA de 60 dias de licença para cuidar de familiares doentes, RETIRADA do direito a FALTA ABONADA, corte de salário para quem tiver jornada reduzida pela perícia médica… podendo inclusive, o servidor vir a receber valor inferior a UM SALÁRIO MÍNIMO, primeira LICENÇA ESPECIAL com 8 anos, retrocedendo à lei anterior…  Portanto, a LUTA não tem férias, não tem RECESSO e a qualquer momento VOCÊ poderá ser CONVOCADO para lotar a CÂMARA MUNICIPAL a fim de impedir esse RETROCESSO na Carreira enquanto servidor público… NENHUM DIREITO A MENOS…

APMC 

Deixe uma resposta