Não deu outra , como era de se esperar a prefeita Beti Pavin não sinalizou com o pagamento da data base para mês de julho até agora , e com isso os servidores da Educação de Colombo decidiram em Assembléia Geral realizada na terça-feira (4) decidiu pela deflagração da greve geral a partir de 26 de julho , e continuar com  a paralisação para o segundo semestre do ano letivo .

Com essa greve , a prefeita Beti Pavin já vai batendo o recorde de movimentos paredistas em toda história da politica de Colombo . Em 2015 enfrentou uma paralisação geral , e a próxima greve está por vir. Daí o pior governo de Colombo de todos os tempos já pode até pedir música no Fantástico.

Confira as deliberações da APMC

INFORMATIVO DE GREVE I – 26/07
DIA 26 DE JULHO A AULA SERÁ NA RUA…
SE A PREFEITURA NÃO PAGAR, A EDUCAÇÃO IRÁ PARAR…
A Categoria reunida em Assembleia, dia 04 de julho, aprovou por unanimidade:
GREVE dia 26 de julho: após análise do cenário municipal, onde constatou-se o não pagamento da DATA-BASE 2017, bem como dos demais direitos previstos na lei, sobretudo a AVALIAÇÃO de DESEMPENHO de 2016, além das PROGRESSÕES congeladas desde 2015, aprovou-se GREVE para o dia 26 de julho.
A CATEGORIA decidiu entrar em GREVE após o recesso escolar, ao constatar no contracheque de junho que não foi pago a DATA-BASE 2017, ou no mínimo a AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO de 2016 e parte do passivo acumulado nesses últimos dois anos das PROGRESSÕES, ADICIONAL DE MÉRITO e demais direitos congelados. Caso, seja pago na folha de julho, a Categoria retorna ao estado de alerta de GREVE, caso contrário, dia 26 de julho, a aula será na rua.

APMC Sindicato

Deixe uma resposta