Nesta existência todos temos lutas. Materialmente a vida é mais fácil para pequena parcela da população que detém a maior parte da riqueza. Do ponto de vista psicológico, quanto à necessidade de aprender a lidar com sofrimentos, frustrações, perdas, todos estamos no mesmo barco. E ao pensar nos sofrimentos da alma, como angústia, tristeza, vergonha, culpa, insegurança emocional, lutas com respeito e valorização pessoal, tem você procurado aliviar a vida de alguém?

Faz parte da saúde mental e da inteligência emocional termos a noção das nossas atitudes e ir aprendendo as verdadeiras causas de nossas motivações. O que fazemos no dia a dia pode ser motivado por egoísmo ou altruísmo. Você entende o por que faz o que faz? Ou o por que não faz o que não faz? Ou vive mais no automático, sem lucidez? Ou vive pela maldade, sem luz nenhuma?

Impulsivos, frequentemente dominados ou movidos por sentimentos, não conseguem ter bom discernimento sobre o impacto de suas palavras e atitudes sobre os outros. Ter atitudes primeiro mentais e depois comportamentais de fazer coisas que você sabe que aliviarão de alguma forma a vida de alguém é sabedoria, bondade, força de bom caráter. Você consegue funcionar como pessoa de modo que frequentemente alivia o fardo da vida de alguém? Ou será que tende a ser pessoa egocêntrica, desligada do sofrimento dos outros, insensível para com a dor alheia, que olha só para seu umbigo? O egoísmo destrói a própria pessoa egoísta. A malícia mata o que a pratica, não numa destruição e morte imediatas, mas inevitáveis se a pessoa permanecer nestas atitudes negativas.

Células em nosso corpo ao se tornarem cancerígenas, passam a ser egocêntricas. Cada uma só “pensa” em si, e briga para sugar ao máximo do organismo a energia para viver e crescer desordenada, orgulhosa e corruptamente. O câncer é corrupto porque ele corrompe a saúde, a vida. É o mesmo que pessoas corruptas. Elas produzem sofrimento nos outros ao se apropriarem indevidamente de bens que poderiam ser aliviadores da vida de milhares de pessoas, e produzem sofrimento em si mesmas porque quebram o equilíbrio ético, da boa moral, da virtude, em seu psiquismo, em sua mente. O câncer no corpo é feio, confuso, muitas vezes invasivo, desordenado, egoísta, e pode ser letal. O câncer do caráter que leva à corrupção social, política, moral e espiritual também.

Você precisa pensar para vir a ser, se ainda não é, uma pessoa que alivia a vida de outros. A população parece que progride em pensar menos e viver mais de acordo com o que sente. Isto é perigoso. Viver baseado nos sentimentos é como querer comer sempre e somente um tipo de alimento, o que poderá gerar carência nutritiva e doença. Saúde mental envolve o pensar, o sentir e o agir. Você funciona na vida como alguém que ajuda os outros? Oferece alívio voluntariamente aos semelhantes, a qualquer pessoa?

A vida numa relação matrimonial, entre esposo e esposa, pode se tornar mais leve quando ambos fazem coisas que aliviam o fardo do outro, e praticam atos aliviadores espontaneamente, sem nenhum interesse egoísta a não ser diminuir as lutas da vida do companheiro ou da companheira. Isto é nobre, promove cura pessoal e favorece o bom relacionamento conjugal.

Este aliviar a vida do outro, que, claro, é bom que exista em outros relacionamentos, pode ser feito de maneiras variadas, através de algo prático, como esvaziar a lixeira, fazer compra no supermercado, ajudar no preparo de alimentos em casa, cuidar de uma criança, colocar ou tirar a roupa do varal, etc. Também pode ser feito por meio de atitudes, como evitar descontrole emocional que leva a gritar com a pessoa, sem respeito e consideração. Mesmo que sua sensação de amor por alguém tenha diminuído ou desaparecido, você pode oferecer alívio ao tratar bem a pessoa.

Aliviar a vida de alguém não significa ficar salvando a pessoa das consequências das escolhas erradas dela. Superproteção não é saudável porque cada um precisa assumir sua vida, colher os frutos de suas atitudes e lidar com os resultados delas. Superproteger prejudica a pessoa a quem se protege exageradamente porque a livramos de experiências e responsabilidades que são dela. E também acaba cansando quem superprotege.

Você pode escolher hoje, agora, viver com uma atitude de oferecer alívio ao outro sempre que isto for possível. Você pode escolhe ser um peso ou um alívio para as pessoas.

Cesar Vasconcellos de Souza

www.doutorcesar.com.br http://doutorcesar.com.br/voce-alivia-a-vida-das-pessoas/

Deixe uma resposta