A greve geral dos médicos de Colombo irá completar nesta quarta-feira (5) 21 dias , e até agora a procrastinação por parte da prefeitura e da prefeita Beti Pavin tem prevalecido , e o secretário de saúde , Darci Braga já esgotou seu repertório de argumentos e tentativas de jogar a classe contra a população que usa o precário sistema de saúde de Colombo , um dos piores do Paraná.

Sem ter o histórico de boa negociadora de crises , e nunca fez questão de ter , Beti Pavin aposta no desgaste do movimento e nos pedidos de exonerações dos médicos , assim poderia terceirizar os serviços do Pronto Atendimento do Alto Maracanã e contratar pelo sistema PSS alguns profissionais e deixar tudo como está , sem mexer na estrutura falida .

A partir desta semana os médicos devem iniciar um abaixo-assinado para pedir a exoneração do Dr Darci Braga , já que como gestor e companheiro de categoria , não está mais tentando resolver nada que vá de encontro aos pedidos da classe , e sim evitar uma negociação entre a prefeita e os profissionais , uma vez que com ela há a possibilidade de sentar á mesa e negociar .

Com a o apoio da população , eles esperam que a  ação surta efeito , já que quem está sofrendo com tudo isso é o usuário do sistema.

Considerações do Sindicato e usuários:

‘A Secretária Geral do Sindicato, Dra. Claudia Aguilar na ocasião disse que “a estrutura está doente, a estrutura da saúde não foi priorizada, não tem pessoal suficiente, material adequado, esses problemas se arrastam a algum tempo nas unidades”.

O Diretor do Sindicato Dr Brasil Vianna Neto conversou com os médicos quanto às condições de trabalho e as dificuldades enfrentadas nas unidades que tiveram o atendimento reduzido devido aos problemas que estão sendo pouco a pouco identificados. Os diretores do sindicato identificaram pessoalmente as dificuldades enfrentadas nas salas improvisadas da unidade.

Além desses problemas, as condições de trabalho na referida unidade são preocupantes. Na ocasião da visita a equipe do sindicato pôde verificar diversas infiltrações, paredes mofadas, salas sem ventilação, banheiros sem manutenção. Soma-se a isso o fato de que não há fornecimento de alimentação adequada para as pessoas que estão há dias internadas na unidade.

A Sra. Cerli Aparecida Gregório está com a mãe que teve um AVC desde o dia 10 de junho no pronto atendimento do Alto Maracanã esperando por uma vaga, e diz estar sendo bem tratada, porém, queixa-se que “os pacientes não têm alimentação, as pessoas que entram aqui não têm condições, hoje minha mãe está aqui esperando há 10 dias por uma vaga, mas eles estão atendendo bem, colocaram sonda e a medicação a espera pela vaga continua e só Deus sabe quando vai vir”.

O Sr. Fábio Luiz de Sousa que estava acompanhando a esposa, também quis expor sua preocupação “Minha esposa está internada desde sexta dia 16 de junho, ela está com um problema no coração e precisa urgentemente fazer uma cirurgia. Ficou em uma sala de risco e agora está em um quarto com superlotação.”

 

 

Deixe uma resposta