Nas três últimas gestões de Colombo , duas de Jota Camargo , uma de Beti Pavin , agora a caminho da última parte , nada deu certo , nada avançou , e o que se viu foi uma completa falta de competência de ambos os lados , colocando nestes 12 anos , o municipio em pleno estado de retrocesso total.

Muitos dos experts em politica  colombense procuram a causa para tanta decepção e ausência de visão administrativa. Um delas é a geléia geral que os dois administradores transformaram seus governos , com muita gente sem competência e sem traquejo politico dando as cartas , essa sem dúvida é uma das causas , as duas gestões tem algo em comum: são balcão de negócios . Pouco avançaram no planejamento do municipio , e Colombo está regredindo como cidade de porte médio que é.

Mas tem um porém nisso tudo , toda a administração que se preza tem que ter aquela pessoa que seja o ponto de equilibrio para dar sustentação ao administrador da hora . E nesses doze anos ,  nem Jota Camargo com sua visão de politico loteador de cargos , nem Beti Pavin , com sua politica populista e centrada em três amigos mais chegados , e muito confiada em um carisma que já não engana ninguém , não tiveram essa pessoa , ou não quiseram ter.

Em 1982 , quando João Chemin venceu a eleição e assumiu em 1983 , trouxe para comandar a secretaria de finanças , Jerson Fereira. que não era apenas um técnico da área , era também um politico com grande poder de articulação e visão para gerenciar vários problemas ao mesmo tempo . Sua capacidade ultrapassava os limites do gestor comum , e com ele tudo parecia mais fácil . Jerson tinha sempre uma resposta para solucionar casos de baixa complexidade e de alta . Seu trânsito junto os politicos de várias tendências era natural , sem precisar de muito esforço , e seu senso de observação para detectar os erros e acertos era muito apurado .

Jerson Ferreira em reunião da Assomec , com João Chemin , Lordes Geraldo , João Dalprá , Edson Ferraz , Deputado Mauricio Nasser e o governador Álvaro Dias

E foi com Jerson Ferreira , um peemedebista histórico e de habilidade politica extrema , que os governos de Chemin , Lordes Geraldo , João Dalprá , Edson Strapasson e os dois primeiros de Beti Pavin se sustentaram . Jerson foi o ponto de equilibrio de todos eles.

Como sempre ocupou o setor nevrálgico dessas administrações , a secretaria de finanças , Jerson sabia exatamente o que fazer para não deixar que as crises atingissem e contaminassem a administração como um todo , como aconteceu com Jota Camargo , que colocou sua irmã para tomar conta de grana , e pior, sem visão politica nenhuma . E como Beti Pavin agora , que ao invés de tentar trazer Jerson Ferreira em 2013 , preferiu investir em Márcio Strapasson , uma espécie de pau mandado dos empresários para gerir a gestão de negócios em vigor . Ou seja , colocaram a raposa na horta e o que é pior , com um histórico politico zero . Coisa de fazer inveja a Michel Temer e seus Gedeis e Moreiras .  Em suma , Beti Pavin enterrou seus dois anos de mandato não foi agora , e sim lá em 23 de fevereiro de 2013.

Jerson Ferreira tinha seus defeitos é claro , mas nada comparável a essa turma que está enterrando Colombo há  12 anos . Simples assim

Deixe uma resposta