Edson Strapasson , ex-prefeito e ex-deputado estadual , uma liderança das mais emblemáticas da politica de Colombo , que em janeiro de 2013 afirmou não querer mais nada com eleições  , mas nesta última entrou de cabeça na reeleição de Beti Pavin , (ex-inimiga de palanque em 2008) , voltando a ser parceiro da  aliada histórica da turma criada por Lordes Geraldo e até hoje está no poder , com mais de dois meses ocupando a pasta da Controladoria Geral da Prefeitura , não corresponde a expectativa que se criou em torno da sua atuação na atual gestão . Muitos esperavam que Strapasson fosse o “cara” que Beti Pavin havia escolhido para dar um jeito e botar ordem na casa , pelo seu perfil técnico de de gestor competente , muito conhecido por todos. Nada disso está acontecendo , o gestor está na dele e Beti continua sem um “cara” que ajeite a desordem do seu governo.

Diante da disputa que se dá internamente dentro do grupo governista pelo controle do poder , e também por estar com a vida mansa e prestes a se aposentar , talvez o ex-prefeito só tenha aceitado mesmo convite para cumprir o tempo que falta para encostar seu carro na sombra , e depois ir para casa com uma aposentadoria polpuda e gozar a vida . Não dá para se esperar dele nada além disso , sua postura politica e os fatos do passados não mais avalizam o engenheiro a almejar outro futuro na politica , senão o de gerenciar campanhas e ajudar a prefeita Beti Pavin a sobreviver mais este mandato , ou seja , vai ser uma espécie de Zé Sarney do jogo que se trama dentro da turma que está brigando pelo trono em 2020 , sem aparecer e sem ser protagonista da briga pelo poder , como já foi em épocas passadas , sem contar que seu partido , o PMDB está em fase de deterioração por conta dos escândalos .

Deixe uma resposta